Jesus, Fonte de Sabedoria

O melhor louvor é aquele que é realizado o tempo todo, 24 horas por dia.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Cartas do Inferno 06


CARTA Número VI

Meu Caro Wormwood(nome fictício dado a um demônio):   

Fico encantado ouvindo que a idade e profissão do seu paciente permitem a possibilidade, ainda que não a certeza, de que ele seja chamado para o serviço militar. Desejamos que ele fique na máxima incerteza, e que sua mente fique cheia de aspectos contraditórios do futuro, para que cada um desses aspectos provoque nele esperanças e receios. Não há nada como o suspense e a ansiedade para levantar pela mente humana uma autêntica barricada contra o Inimigo. Ele deseja homens ocupados com o que fazem, ao passo que nós trabalhamos para deixá-los preocupados com o que irá acontecer a eles.

Seu paciente já terá a essa altura - concordo - absorvido a noção de que deve submeter-se pacientemente à vontade do Inimigo. O que o Inimigo quer dizer com isso é que o homem deve receber com resignação todas a tribulação jogada sobre ele - as mesmas que produzem o presente estado de suspense e ansiedade. E nesta ótica que o paciente deve dizer "Seja feita a Tua vontade!", e no tocante à responsabilidade diária de suportar esse fardo, ele deverá pedir que lhe seja dado o pão de cada dia. E seu dever cuidar para que o paciente nunca imagine o seu presente medo como uma cruz que lhe está destinada, mas sim gaste todo o tempo possível com os temores que o assombram. Aja no sentido de que o paciente considere tudo como verdadeiras cruzes; deixe-o a pensar que já que elas não tem nada a ver uma com a outra, que não podem todas lhe acontecer ao mesmo tempo, e portanto, treine-o para praticar a resignação e paciência pelas provações muito antes que elas tenham sequer começado a acontecer. Pois a real resignação para uma dúzia de coisas diferentes (e imaginárias) é quase impossível, e o Inimigo não se mostra lá muito interessado nas pessoas que tentam conseguir essa "virtude". A resignação por sofrimentos reais e presentes, ainda quando o sofrimento é formado apenas por medo, é muito mais facilmente socorrida pela ação direta do Inimigo.

Uma importante lei espiritual está contida aqui. Já lhe expliquei que você pode enfraquecer suas orações pelo desvio de suas atenções do Inimigo Real para os estados de mente que ele alimenta com relação ao Inimigo. Por outro lado, é extremamente mais fácil assenhorear-se do medo quando a mente do paciente está desviada do objeto amedrontador para o medo em si, considerado com um estado presente e insuportável em sua mente, e quando o homem considera o medo como a cruz que ele deve carregar (inapelavelmente) como um estado em sua mente. Podemos, portanto, formular a regra geral: Em todas as situações mentais que nos favoreçam, encoraje o paciente a se despir da autoconsciência e se concentrar puramente no objeto em si; mas em todas as atividades favoráveis ao Inimigo, conduza sua mente de volta a ela mesma. Façamos com que um insulto ou um corpo de mulher fixe sua atenção no exterior a tal ponto que ele não possa refletir "Estou neste momento entrando em um estado de alma chamado Raiva - ou em um estado de alma chamado Luxuria." Ao contrario, faça com que as reflexões: "Estou agora acrescentando mais devoção ou caridade aos meus sentimentos", a fim de fixar sua atenção em si mesmo de tal forma que nunca mais possa olhar alem de si mesmo para ver o Inimigo ou ao seu próximo.

A respeito das atitudes gerais do paciente com relação à guerra, você não pode confiar excessivamente naqueles sentimentos de ódio que os humanos tanto gostam de discutir nos periódicos, sejam eles Cristãos ou não-Cristãos. Em sua angustia o paciente pode - reconheço - ser incentivado à vingança pessoal através de sentimentos revanchistas contra, por exemplo, os lideres alemães, e isso é coisa muito boa até onde puder ser levada. Mas usualmente, este tipo de ódio é melodramático e fantasioso, dirigido contra vitimas imaginárias. Ele jamais encontra estas pessoas na vida real - são todas figuras pré-moldadas que ele absorve das noticias nos jornais. Os resultados deste ódio fantasioso são freqüentemente muito decepcionantes, e de todos os humanos, os ingleses são os mais deploravelmente "fogos de palha" neste aspecto. Eles são deste tipo miserável de criaturas que proclamam aos gritos a tortura como a melhor opção para seus inimigos e oferecem chá e cigarros para o primeiro piloto alemão ferido que seja capturado debaixo de suas portas.

Seja o que for que você fizer, sempre sobra alguma benevolência e alguma malícia na alma do seu paciente. A grande jogada e dirigir a malícia para seus vizinhos mais próximos (do tipo que ele veja todo dia) e dirigir sua benevolência para um círculo distante e para pessoas que ele sequer conheça. Desta forma, a malícia acaba se tornando real, e a benevolência, em ultima análise, totalmente imaginária. Não é bom que você inflame o seu ódio pelos alemães se ao mesmo tempo está crescendo um pernicioso hábito de caridade entre ele e sua mãe, seu empregador ou o homem que ele encontra no trem.

Imagine seu homem como uma serie de círculos concêntricos na qual sua vontade seja o centro, vindo após seu intelecto e finalmente, sua fantasia. Dificilmente você terá a esperança de conseguir excluir de todos os círculos tudo que tenha o aroma do Inimigo: mas você terá sucesso movendo todas as virtudes para o círculo da fantasia, ficando os defeitos e vícios que desejamos transferidos para a Vontade. Somente quando estão encravadas na Vontade, e se manifestam em atitudes e hábitos, as virtudes nos são realmente fatais. (Não estou, naturalmente, me referindo ao que o paciente chama erradamente de sua Vontade - esta névoa de consciência e exercícios de resolução e gestos agressivos, mas o real centro da personalidade, que o Inimigo chama de CORAÇÃO!).

Toda a sorte de virtudes pintadas na fantasia ou simplesmente aprovadas pelo intelecto, ou mesmo até certo ponto amadas e admiradas, não arrancariam nosso homem dos antros de Nosso Pai lá de Baixo; ao contrário, elas até fazem as vitimas mais engraçadas quando as mesmas descem ao Inferno.

Seu afetuoso tio
SCREWTAPE (nome fictício dado a um demônio superior ao primeiro)


Retirado do livro "Cartas do Inferno" de C.S. Lewis.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Carta do diabo Nº2


CARTA Número II

Meu Caro Wormwood: (Wormwood= nome fictício dado a um demônio)

Vejo, com muito desgosto que sua vítima tornou-se um cristão. Nem por sonho alimente a esperança de que poderá escapar aos castigos normais; com efeito, em seus melhores momentos, espero que você nem mesmo pense em tal coisa. Enquanto isso é preciso que façamos o possível para remediar essa situação tão indesejável. Não é necessário cairmos no desespero, conta-se por centenas esses convertidos em idade adulta que foram reconquistados, depois de uma breve estada nos arraiais do Inimigo e agora se encontram conosco. Todos os hábitos do paciente, tanto intelectuais quanto físicos, estão ainda a nosso favor. Aliás, um dos maiores aliados que temos hoje é a própria Igreja. Não me interprete mal. Não me refiro à pestilenta Igreja que vemos difundida através dos séculos por toda parte com suas raízes na Eternidade, terrível como um invencível exército com suas bandeiras. ESSE espetáculo confesso que traz insegurança e inquietação aos mais corajosos entre nós. Para nossa sorte, ESTA Igreja é inteiramente invisível aos olhos humanos. Tudo que seu paciente pode contemplar é o prédio inacabado, (pretendendo um estilo gótico) em seu bairro novo. Entrando ali, o paciente vê o dono da quitanda local, com uma expressão de bem-aventurança no rosto, e que se apressa em lhe oferecer um livrinho já bem gasto contendo uma liturgia que ninguém consegue entender mais, e mais um outro livrinho caindo aos pedaços que contem vários textos (corrompidos, por sinal) de poemas religiosos (a maioria, péssimos) e ainda por cima, impressos em letra miúda (chego a pensar que nós os escrevemos) de forma a dificultar ao máximo a leitura. Ao assentar-se num dos bancos e olhar ao redor, o paciente vê justamente os vizinhos que até então evitara. Você deverá acentuar bem na imaginação do paciente alguns detalhes daqueles vizinhos. Faça com que sua mente fique a flutuar entre uma expressão como o corpo de Cristo e os rostos concretos que ele pode ver nos bancos próximos. Interessa muito pouco saber qual seja, na realidade, o tipo de pessoas acomodadas naqueles outros bancos. Pode ser quer você saiba que um de entre eles é ferrenho batalhador nas fileiras do Inimigo. Não há problema. Esse paciente, graças a Nosso Pai lá de Baixo, não passa de um tolo. Contanto que alguns dos seus vizinhos ali estejam cantando desafinados, ou usem sapatos barulhentos, ou tenham dupla papada, ou estejam trajados com ternos antiquados, o paciente poderá logo admitir muito facilmente que a religião de tais semelhantes terá de ser, portanto, de certa forma, ridícula. No estágio em que ele se encontra, compreender o conceito que faz dos cristãos lhe parece espiritual; na verdade, é um conceito totalmente imaginário. Sua mente está cheia de togas e sandálias e armaduras e pernas nuas (restos duma película situada no século I, de modo que, o simples fato de que outras pessoas na igreja estejam a trajar roupas modernas constitui-se numa real - embora seja isso inconsciente - dificuldade para ele. Nunca deixe que essa dificuldade chegue à tona: nunca permita que ele inquira a respeito de como esperava que esses cristãos fossem. Faça força por conservar tudo confuso em sua mente agora, pois assim você terá em que distrair-se por toda a eternidade, dando-lhe o tipo de esclarecimento que o Inferno oferece. Aproveite-se quanto possível, então, da decepção, ou do forte contraste que com certeza virá ao paciente no decorrer das primeiras semanas de freqüência à igreja. O Inimigo permite que o referido desapontamento ocorra na fase inicial de todos os esforços dos seres humanos. Ocorre quando o adolescente que experimentara verdadeiros enleios ao ouvir as histórias da Odisséia passa depois a estudar, com afinco, a língua grega. Ocorre quando os noivos finalmente se casam e começam a real tarefa de aprender a viver junto. Em todas as áreas da vida, esse desapontamento assinala a transição necessária entre as aspirações sonhadas e a realização trabalhosa. O Inimigo se expõe a esse risco porque acalenta a curiosa fantasia de tornar esse nojento vermezinho humano a que Ele chama de seus livres amigos e servos - filhos é a palavra que Ele emprega em sua preferência costumeira por degradar todo o mundo espiritual mediante relações não naturais que estabelece como animais bípedes humanos. À liberdade dos referidos animais Ele, por conseqüência, recusa-se a atraí-los só pelas afeições e pela força de hábito a qualquer dos objetivos que intente com eles. Ele os deixa "agir por si mesmos" (não é incoerente?) Mas felizmente, nisto está uma ótima oportunidade para nós (se aproveitada, claro). Como assim, você diria? Fácil: Se eles saem destes apertos iniciais sem se "arranhar", se tornam mais independentes de suas emoções, e com isso, fica muito mais difícil tentá-los. Até aqui, tenho escrito longamente sempre imaginando que as pessoas sentadas nos demais bancos não dão motivos específicos para o tal desapontamento. Com efeito, se derem motivos - se o paciente souber que aquela mulher de chapéu esquisito é profundamente viciada em jogos de azar, ou que o indivíduo dos sapatos barulhentos é avarento e ganancioso - então seu trabalho como tentador fica muito mais fácil. Você só precisa banir da mente da vítima esta linha de reflexão: "Se eu, sendo o que sou, posso aceitar que até certo ponto sou um cristão, quem poderia distinguir os vícios destas pessoas nos bancos aí ao lado e provar que a religião deles não passa de hipocrisia e mero convencionalismo?". Você pode estar perguntando se é possível evitar esse tipo de reflexão, mesmo se tratando de uma mente humana. Saiba que é sim, Wormwood, pode acreditar! Manipule-o corretamente e verá que isto jamais lhe passará pela cabeça. Seu paciente não terá ainda tempo suficiente de convivência com o Inimigo para aprender acerca da humildade real. O que diz, mesmo quando de joelhos, sobre sua vida pecaminosa, é mera conversa de papagaio. No fundo, ele ainda acha que no balanço da conta-corrente do Inimigo a sua situação é mais favorável, pois ele consentiu em se deixar converter, e acha uma extrema prova de humildade e desprendimento o fato de freqüentar a igreja com essa "corja" de semelhantes medíocres. Faça tudo para mantê-lo o maior tempo possível neste estado de pensamento.

Afetuosamente, seu tio.
Screwtape 
(Screwtape= nome fictício dado a um demônio superior ao anterior)

Retirado do livro "Cartas do Inferno" de C.S. Lewis.